Posts tagged dívidas

Preconceito existe.

É muito fácil encontrar uma explicação técnica para a bipolaridade. Segundo este post, uma boa definição é a falha na estabilidade da transmissão dos impulsos nervosos ao cérebro.

Com este problema, ficamos mais suscetíveis aos efeitos do stress. E isto causa devastações similares a um furacão F5, de maior intensidade. Os estragos são gigantes e simplesmente inacreditáveis.

Mesmo com toda a literatura à disposição e ampla divulgação de que o problema é uma falha química e não de caráter, ainda assim existem pessoas que simplesmente não conseguem acreditar. A ignorância e o preconceito ainda são muito comuns.

Como eu mencionei no post anterior, eu era uma pessoa popular. Tinha muitos amigos, alguns dos quais prejudiquei financeiramente em minhas crises. Estes prejudicados eram poucos no universo de amizades que eu tinha. Obviamente, estas  pessoas se afastaram de mim permanentemente, acredito que com razão.

Entretanto, alguns amigos até mais próximos que estes, se afastaram bruscamente ao saber do meu diagnóstico. Alguns fizeram imediatamente os tais julgamentos de caráter. Outros se afastaram apenas por acharem a “situação complicada”.

Hoje em dia, não devo nada para ninguém. Com um bom planejamento, consegui quitar as minhas dívidas este ano.

E tenho pouquíssimos amigos daquela época, todos fantásticos e que certamente ficarão na minha vida pra todo o sempre.

Tenho apoio irrestrito da minha família e do meu namorado. Mesmo assim, eu peço para o meu namorado não mencionar para a família dele e amigos o meu distúrbio. Tenho medo sim, de que pessoas não me olhem com bons olhos por causa da doença. É um momento de deslize, um choro ou um stress para eu imediatamente virar “Aquela louca!”

Não quero isto pra mim. Quero ser vista como uma pessoa normal, que é o que eu sou. Afinal de contas estou medicada e controlada e isto me coloca totalmente na realidade. Aliás, poucas pessoas ditas “normais” são tão sensatas e controladas como eu.

Comments (4) »

Quando eu percebi?

Sempre fui bipolar. Quando eu penso no passado, noto que os primeiros sinais já vieram na adolescência. Sempre pensava muito depressa, não conseguia desligar a cabeça. Algumas pequenas crises vieram na fase adulta, mas nada que atrapalhasse efetivamente minha vida ou minha carreira.

A grande crise chegou em 2006. No segundo semestre daquele ano. Foram de cinco a sete meses de uma euforia incontrolável, que culminou em um grande estrago: dívidas praticamente impagáveis, carreira profissional abalada e desequilíbrio familiar, seguido de uma depressão que parecia não ter mais fim.

Em crise, fiz muitos amigos. Fui popular como nunca havia sido, pois tanto na adolescência quanto no começo da minha fase adulta, era uma pessoa tímida. Estava cercada dos “melhores amigos para toda a vida”. Uma dezena, duas dezenas. Um monte de gente participava ativamente da minha vida.

Vivia em um mundo realmente paralelo, com uma realidade só minha. Cheguei em uma fase grave de delírios e alucinações. Aumentei excessivamente os gastos com supérfluos e fazia doações que eu não podia bancar. Tinha uma insônia frequente, dormia pouco e era o suficiente para mim. Me sentia muito alegre e tinha a plena convicção de que poderia dominar o universo.

Minha família só percebeu os meus desvios quando eu comecei a me comprometer financeiramente. Tomei dinheiro emprestado de diversas pessoas, dava o calote e nunca soube muito bem qual era o destino que eu dava para boa parte destes reais. Mesmo assim, tudo foi tratado inicialmente como uma falha de comprometimento minha, falta de caráter.

Somente quando eu cheguei em outras fases delirantes, que eu percebi que algo estava errado. E pedi ajuda.

Leave a comment »